DONA DE CASA

por Luciana Costantin

 

Ando pensando no termo “dona-de-casa” e hoje resolvi dar um Google. Além de fotos de mulheres realizando seus afazeres domésticos, encontrei alguns conteúdos relacionados. A maioria explica que é um termo usado para categorizar as mulheres que trabalham, exclusivamente, para a própria família, não exercendo atividade remunerada, onde a renda familiar provém do trabalho de outra pessoa próxima. Também observei, que a grande maioria dessas mulheres, “donas-de-casa”, acabou por deixar um emprego, uma profissão, logo após o nascimento dos filhos. Foi o caso da minha mãe. Formada em Economia, optou por gerenciar a casa, os filhos (eu e o meu irmão), a nossa família. Uma escolha a partir do desejo de estar presente, cuidar, educar e transmitir seus valores de vida. Uma parceria, um “acordo” entre companheiros. Um trabalha fora e é responsável pelo sustento, pelo dinheiro, enquanto o outro “trabalha” em casa, garantindo que tudo funcione.

Mas todas as vezes que presenciei e presencio minha mãe diante da pergunta “qual a sua profissão?” sinto um certo constrangimento, um micro-silêncio, como se ela visitasse um vazio interno, um desejo de voltar atrás e poder SER todas as Elaines, contidas… e a resposta sai encabulada: “do Lar”. Cresci observando e ouvindo as mulheres da minha família lamentando pelos sonhos pessoais e profissionais não realizados, pela falta de reconhecimento, por sacrificarem partes do todo, por se colocarem de lado. Essa “carga”, de alguma forma, foi sendo absorvida por nós, os filhos, e transferida para o masculino. A dança da codependência se instaurou de forma ancestral. A vítima, o salvador e o algoz numa sincronizada e constante alternância de papéis. Com esse histórico familiar, fui “programada” para ser o oposto de uma “dona-de-casa” convencional: uma profissional realizada, bem sucedida, independente, livre. Onde o casamento e os filhos podiam esperar. O foco era a parte oposta. Resultado: caí do outro lado do cavalo! Lá estava eu deixando para trás todas as Lucianas que habitam o meu SER. Durante muitos anos represei o rio, canalizei toda a água em uma única direção. Fui contra a minha natureza, o meu fluxo natural.

Ser dona ou dono da “casa interna” é o impulso para ser dona ou dono da “casa externa”. Estamos caminhando para um mundo onde homens e mulheres podem SER, compartilhando, além de banheiros e roupas, profissões, atividades, ambientes, esportes, a cozinha e (porque não?!) a manutenção de um lar em harmonia. Manter e sustentar o “campo energético” da casa limpo, equilibrado e em alta frequência, demanda um bom gerador, um bom condutor: quem mora! Você, eu… fazendo um mundo particular melhor e contribuindo para um mundo melhor.

Sim, sou dona da minha própria casa!

This error message is only visible to WordPress admins

Error: API requests are being delayed for this account. New posts will not be retrieved.

There may be an issue with the Instagram access token that you are using. Your server might also be unable to connect to Instagram at this time.