Pronto! Chegou o dia de pensar na iluminação da sua casa! Chega de fio pendurado com soquete e lâmpada, chega de luminária enferrujada, caída, torta, improvisada, com lâmpada queimada…

Mas antes de sair correndo para comprar as luminárias e/ou lâmpadas novas, vou partilhar com você alguns conceitos, que considero importantes:

Você sabia que enxergamos a luz refletida pelos objetos, coisas, pessoas, paredes…? Ou seja, a luz “produzida”, que “sai” de uma lâmpada e/ou luminária encontra as superfícies, que, por sua vez, refletem-na e encontra os nossos olhos, possibilitando a nossa visão. Esse é um princípio muito, muito importante!

Podemos dizer que a luz revela o mundo em que vivemos. Resumindo, enquanto um feixe de luz não encontra uma superfície ele continua a sua trajetória rumo ao infinito. Então, além da fonte de luz – lâmpadas e luminárias – tudo que compõe o ambiente a ser iluminado interfere no resultado da iluminação: cores (teto, paredes e piso), texturas, materiais, distâncias, entre outros aspectos.

Lembre-se que ao comprar uma luminária e/ou lâmpada você está comprando a luz que essa fonte pode gerar. O ideal seria ver esse equipamento funcionando para “sentir” o “pacote de luz” que ele pode te oferecer.

Dosar a quantidade de luz para cada ambiente passa por algumas reflexões, como:

_referências e gosto pessoal
Luz não é como um sofá, uma cadeira, um tapete, que você pode pegar, sentar, pisar, ver. Luz é algo empírico, algo baseado na experiência e na observação particular.

_a função de cada ambiente no corpo da casa e as atividades realizadas em cada um deles
Existem ambientes de relaxamento e descanso, como o quarto, por exemplo, que pede uma luz de leitura ou abajur na cabeceira da cama, e uma iluminação mais funcional e com acendimento separado para perto de armários e closets. Já na cozinha, nas áreas de corte e preparo de alimentos, fogão e bancadas, o ideal é ter uma iluminação parecida com a de escritório, mais intensa e uniforme.

_o pé-direito (altura piso-teto)
A iluminação deve ser pensada sempre volumetricamente, ou seja, uma relação entre a largura, o comprimento e a altura do espaço a ser iluminado. Ambientes pequenos e baixos, por exemplo, pedem uma ou outra luminária e, quando possível, luz indireta, usando o teto como rebatedor para “ampliar” o ambiente visualmente e proporcionar mais conforto visual.

_conforto térmico e visual
Com a tecnologia LED a emissão de calor pelas luminárias e lâmpadas diminuiu muito. Esse é um ponto positivo para ambientes muito quentes ou com uso de ar condicionado. Já o conforto visual exige um pouco mais de técnica e recursos no desenho das luminárias: vidros e acrílicos translúcidos, aros anti-ofuscantes e espaço para o recuo das lâmpadas, aletas para direcionar a luz, superfícies reflexivas, etc.

_contribuição da luz natural (aberturas, janelas, portas de vidro)
Quando os ambientes recebem muita luz natural, a iluminação artificial acaba sendo percebida e utilizada no final da tarde e/ou durante à noite. Nem tente competir com a quantidade de luz produzida pelo sol!

_variações climáticas regionais
O Brasil é um país muito grande, com regiões mais quentes e outras mais frias. Geralmente, lâmpadas com tonalidade de luz mais amarelada são preferidas no Sudeste e Sul do país. Já as fontes de luz mais “brancas-azuladas” trazem uma sensação de frescor para as regiões Norte e Nordeste.

Não existe uma regra, mas você pode investir tempo pesquisando imagens, com o que você considera boa iluminação, e/ou estar atento às sensações que os ambientes iluminados, de diferentes formas, causam em você. Assim, você cria uma biblioteca visual e contrói a sua ‘boa luz’.

Já, uma boa fonte de luz é aquela que:
_não distorce as cores das superfícies, que tem um bom índice de reprodução de cor;
_não ofusca, causando desconforto e fadiga visual;
_é eficiente, ou seja, economiza energia;
_tem vida longa, diminuindo o descarte.

Falamos bastante de luz, mas devo ressaltar aqui, a importância das áreas de sombra nos ambientes. Isso mesmo! Onde se espera acolhimento, aconchego, conforto, contraste, sofisticação, profundidade, a sombra é sempre muito bem vinda.

Lembre-se: “Onde há luz, há sombra!”

Instagram