O DESEJO DAS COISAS DE SEREM 脷TEIS

por Luciana Costantin

 

Fiquei ali parada, im贸vel, sentindo a energia daquela atmosfera desoladora e daqueles objetos esquecidos ao tempo. Observando cada detalhe, cada teia de aranha, cada superf铆cie esbranqui莽ada pela camada de p贸. Por qu锚 tudo aquilo mexia tanto comigo?

Continuei ali em sil锚ncio, im贸vel e comecei a me conectar com a energia daqueles objetos, imaginar a hist贸ria de vida de cada um. Ser谩 que as coisas t锚m alma? E se cada uma pudesse falar? Fechei os olhos, respirei, ativei todos os meus sentidos e algo m谩gico aconteceu! Comecei a ouvir as tristezas e os desejos do sof谩, da mesa de centro, do abajur, do quadro torto na parede. Eles me pediam ajuda para voltar a viver, voltar a fazer parte da vida da pousada, dos h贸spedes e da paisagem.

Como no musical 鈥淎 Bela e a Fera鈥, todos, mas um de cada vez, foram me mostrando suas habilidades, aptid玫es e a sua melhor vers茫o para aquele ambiente. Em poucos minutos consegui visualizar a sala toda remodelada. Cada um foi se posicionando no lugar certo, com as cores e texturas vibrando em harmonia. Estavam todos felizes, cheios de vida, animados com a possibilidade de voltar a ser-vir, e espalhavam essa anima莽茫o acolhedora pelo ar. Uma festa! Conseguia at茅 escutar a m煤sica do vento e o aroma das folhas secas.

Estava tudo ali, aguardando um olhar, um carinho, um tempo de dedica莽茫o. Apreciei aquela sensa莽茫o deliciosa por alguns minutos e voltei,聽 com a certeza de que precisava espalhar essa novidade por a铆: as coisas falam!