OS CINCO PASSOS PARA O IKIGAI

 

Inspiração e Trechos, transcritos na íntegra por Luciana Costantin,
do Livro “IKIGAI – Os Cinco Passos para Encontrar seu Propósito de Vida e ser mais Feliz”
de Ken Mogi, neurocientista e escritor japonês.

 

O que é Ikigai?

 

Ikigai é uma palavra japonesa que descreve os prazeres e sentidos da vida. A palavra consiste, literalmente, de “iki”: viver e “gai”: razão” – Razão de Viver.

Ikigai é, de certa forma, um barômetro que reflete a visão de uma pessoa sobre a vida de uma forma integrada e representativa.”

Ikigai dá propósito à vida ao mesmo tempo que dá determinação para seguir em frente.”

Ikigai é uma espécie de eixo cognitivo e comportamental, em torno do qual vários hábitos de vida e sistemas de valores estão organizados.”

Ikigai representa a sabedoria de vida dos japoneses, a sensibilidade e a maneira de agir que foram unicamente pertinentes na sociedade japonesa e que evoluíram ao longo de centenas de anos dentro da sociedade fechada da nação insular.”

[Características individuais importantes na personalidade de uma raça ficam codificadas na língua da cultura e, quanto mais importante a característica, mais provável é que seja capturada por uma única palavra.]

Hipótese Léxica proposta por Francis Galton, psicólogo inglês, no final do século 19

Seu Motivo para Levantar de Manhã

 

Ikigai, às vezes, é expressado como ‘o motivo para se levantar de manhã’. É o que dá motivação contínua para viver a vida, ou você também pode dizer que da o apetite para a vida que deixa você ávido para perceber cada novo dia.”

 

Os Cinco Passos para o Ikigai:

Passo 1: Começar Pequeno

“Decididamente, começar pequeno é a principal característica dos dias de juventude. Quando somos jovens, não se pode começar as coisas de um jeito muito grande. O que quer que se faça, não importa muito para o mundo. É preciso começar pequeno. E o que se tem em abundância é mente aberta e curiosidade, os grandes motivadores dedicados a uma certa causa.”

Kodawari é um conceito japonês difícil de traduzir. Costuma ser chamado de “comprometimento” ou “insistência”. É um padrão pessoal, ao qual o indivíduo adere de forma decidida. É pessoal por natureza, e é uma manifestação de orgulho pelo que se faz. Em resumo, é uma abordagem pela qual se toma cuidado extraordinário com detalhes bem pequenos.”

 

Passo 2: Libertar-se

“Libertar-se está altamente relacionado a estar no aqui e agora e está ligado à descoberta dos prazeres sensoriais. Ao nos aliviar do peso da individualidade, nós podemos nos abrir para o universo infinito de prazeres sensoriais.”

“Se você conseguir atingir o estado psicológico de “fluxo”, estado no qual as pessoas estão tão envolvidas em uma atividade que mais nada parece importar, você obterá o máximo do ikigai, e as coisas como tarefas diárias vão ficar até mais agradáveis, como descrito pelo psicólogo americano nascido húngaro Mihaly Csikszentmihalyi. Você não vai sentir necessidade de reconhecimento do seu trabalho ou dos seus esforços, não vai ficar procurando nenhum tipo de recompensa. A ideia de viver num estado contínuo de euforia, sem procurar gratificação imediata por reconhecimento externo, de repente está ao nosso alcance.”

Passo 3: Harmonia e Sustentabilidade

“Claramente, harmonia é a chave da sustentabilidade. Modular os desejos e as vontades de uma pessoa em harmonia com o ambiente em que vive também ajuda a reduzir conflitos desnecessários. Em outras palavras, o ikigai é pela paz!

A sustentabilidade é uma arte na vida e requer engenhosidade e habilidade. Um homem é como uma floresta, individual, mas conectado e dependente dos outros para crescer.

Portanto, imagine que você está no meio de uma floresta tranquila. Respire bem fundo. E considere o que seria necessário para manter essa floresta. O ikigai trabalha em escala pequena, com paciência, de forma comum e com o olhar voltado ao longe.”

Passo 4: A Alegria das Pequenas Coisas

“O ikigai é uma adaptação ao ambiente, independente de qual seja a natureza desse ambiente. Do sumô ao balé clássico, as pessoas que encontram o ikigai podem ter alegrias além do valor simplista das vitórias e derrotas. Ter ikigai contribui para tirar o melhor das circunstâncias, o que pode acabar sendo difícil, independente do fato de as circunstâncias poderem ser difíceis.”

“No mundo, tudo está conectado, e ninguém é uma ilha.” “Ikigai e felicidade vêm da aceitação do eu. O reconhecimento de outras pessoas sem dúvida seria um bônus. Celebre quem você é!”

Passo 5: Estar no Aqui e Agora

“Os japoneses encaram com seriedade as coisas efêmeras da vida. Como comer uma manga kanjuku (=perfeitamente madura) ou um melão-cantalupo magnífico, exemplos das famosas “frutas perfeitas” vendidas na loja de frutas Sembikiya (desde 1834). Só leva alguns minutos, e isso proporciona uma alegria fugaz. Não é possível se agarrar a experiência. Não é possível tirar uma selfie de um gosto. A crença no efêmero do ikigai, estar no aqui e agora, é possivelmente o mais profundo dos cinco pilares do ikigai.”

“Na vida, nós precisamos de evolução, não de revolução. É comum que uma ilusão sobre uma revolução na vida – em que você é arrebatado por princípios recém-encontrados, jeitos novos de pensar e fazer, e pela ideia de começar a vida toda de novo – tire as pessoas do rumo.

Como o ikigai só reforça suas intuições já presentes, a mudança vai ser gradual e modesta, como a vida em si”

Valor Particular

 

No livro, Ken Mogi mostra que não precisamos ser japoneses para ter Ikigai e conta a história de uma cadeira especial, que encontrou no Reino Unido:

[…”Durante alguns anos, em meados dos anos 1990, eu fiz uma pesquisa de pós-doutorado no Laboratório de Psicologia da Universidade de Cambridge. Eu estava hospedado em uma casa que pertencia a um eminente professor. Quando me mostrou o quarto em que eu ficaria hospedado, ele apontou o quarto em que eu ficaria hospedado, ele apontou para a cadeira e explicou que tinha valor sentimental para ele: seu pai a fez especialmente para ele quando ele era pequeno.

Não havia nada de extraordinário na cadeira. Para ser sincero, era um pouco malfeita. O design não era refinado, e havia características irregulares aqui e ali. Se a cadeira estivesse à venda no mercado, não seria cara.

Dito isso, eu também vi, pelo brilho nos olhos do professor, que a cadeira tinha um significado muito especial para ele. E era só isso o que importava. Tinha um lugar único no coração do professor, só porque o pai tinha feito para ele. Valores sentimentais são assim mesmo.

Esse é só um exemplo, mas poderoso. Ikigai é como a cadeira do professor. É questão de descobrir, definir e apreciar os prazeres da vida que tem significado para você. Não tem problema se mais ninguém enxergar esse valor particular”…]

Quando pedi esse livro de presente para o meu marido, algo me dizia que muitas pistas e confirmações iriam surgir. E assim se fez a profecia! Quanta simplicidade e quanta riqueza! Quanta afinidade com a proposta e os valores da As Coisas Falam e o meu propósito de vida!

Deixo aqui algumas questões para você refletir, anotar as reflexões e revisitar-revisar de tempos em tempos. Lápis e papel na mão…

  • Quais são meus valores mais sentimentais?
  • Quais são as pequenas coisas que me dão prazer?
  • Consigo aplicar os cinco pilares do Ikigai no meu dia-a-dia? Onde? Quando?
  • É possível viver uma vida plena, longa e feliz? Como?

Inspiração e Trechos do Livro, transcritos na íntegra, “IKIGAI – Os Cinco Passos para Encontrar seu Propósito de Vida e ser mais Feliz” de Ken Mogi, neurocientista e escritor japonês.